De “GTA” ao brasileiro: os diferentes jogos do Dragon Ball Z

Autor

Categoria

Compartilhe

jogos-diferentes-do-dragon-ball-z

Após mais de 100 títulos e mais de 30 anos desde o primeiro game, Dragon Ball ainda é uma das franquias mais hypadas em cada novo lançamento. O Dragon Ball Super trouxe novidades à história, mas por muito tempo os jogos repetiram o enredo e as batalhas das sagas anteriores nas mais diversas plataformas. Isso não quer dizer que os fãs se cansaram dos jogos do Dragon Ball Z.

Se uma nova forma de lançar um Kame Hame Ha é lançada, lá estamos nós gastando nosso suado dinheirinho em mais um game do anime.

E com tantas inovações, tantas tentativas, houve alguns acertos e vários erros. Se liga na lista dos jogos do Dragon Ball Z que trouxeram inovações, seja pro bem ou pro mal.

Dragon Ball brazuca | PC (2013)

dragon-ball-brasileiro

Você sabia que existem dois jogos brasileiros oficiais do Dragon Ball Z? O primeiro foi o Dragon Ball Z: A Batalha dos Deuses, desenvolvido pela Duckbill e Aiyra. O game traz a batalha dos guerreiros contra Bills, que foi usado posteriormente como o início da saga Super, em um formato que lembra muito Dragon Ball Z: Legends.

Uma curiosidade que o estúdio nos contou na Brasil Game Show de 2013 foi que esse jogo foi desenvolvido às pressas e em tempo recorde de algumas semanas. Tudo para que estivesse pronto a tempo de ser exposto no evento. Ah… Uma super vantagem desse game é a dublagem em português!!

Em entrevista para o Techtudo, um dos desenvolvedores da Aiyra, Adrian Laubisch, disse que os contatos qualificados facilitaram a oportunidade pro estúdio brasileiro. “Sou muito fã de Dragon Ball Z e foi isso o que mais me motivou neste projeto. Tenho ótimos contatos na Diamond Films, a distribuidora oficial do filme no Brasil. Ajudei eles com o processo de obter o contato dos dubladores e, após isso, começamos a conversar sobre a possibilidade de ter um game oficial para divulgar o filme por aqui”.

“Considerando todos os envolvidos das duas empresas, em maior ou menor grau, tivemos 15 pessoas para fazer o jogo. Todo mundo dedicou todos os espaços de tempo possíveis para o projeto e eu estou extremamente orgulhoso dos meus times, tanto da Aiyra quanto da Duckbill. E graças a isso conseguimos desenvolver o game no período de apenas um mês, com uma semana a mais para ajustes. Muitas noites sem dormir, muita pizza e muito café, mas valeu a pena”.

Não é assim um excelente jogo, mas por ser BR representou muito bem! Tanto é verdade que a Fox Film (que solicitou o projeto), pediu um novo game para o OVA seguinte: Dragon Ball Z: O Renascimento de F., que também seria incorporado ao Super. Dessa vez a desenvolvedora focou em uma mecânica RPG por turnos e garantiu um resultado bem mais interessante.

Outros jogos de destaque

Pode parecer fácil criar um jogo pra uma história consolidada como a de Dragon Ball Z. Mas é exatamente pelo fato de ser um título aclamado que a responsabilidade aumenta, tendo que agradar a maior fatia de fãs possível, inovar e, ao mesmo tempo, ser fiel às sagas da TV e do mangá (afinal, ninguém quer ser um novo Dragon Ball Evolution, né?!).

Percebe como essa tarefa é ingrata?

A saída mais comum é partir pro jogo de luta. No entanto, há desenvolvedores que vão além do K.O. Como o risco é grande, muitos deixam a desejar. Mas há quem acerte a mão.

Dragon Ball Z: Sagas | PS2, GC e XB (2005)

dragon-ball-z-sagas

Na época em que GTA: San Andreas bombava, muitos jogos tentaram investir no mundo aberto, com mapas mais amplos e movimentação livre no cenário. Foi o que tentou fazer a Avalanche Software com o game Dragon Ball Z: Sagas. O desafio foi ainda maior pois o anime vinha de sucessos da franquia Budokai.

O resultado é questionável. Há quem goste, mas a grande maioria rejeitou o título por ter uma mecânica e gráficos abaixo dos jogos anteriores, lutas repetitivas e a uma “liberdade contida”, o que lembrava games muito mais antigos, como Spyro e Croc.

Dragon Ball Z: Legends | PSX e Sega Saturn (1996)

dragon-ball-z-legends

De Vegeta e Nappa ao Majin Boo, esse jogo desenvolvido pela BEC Co. foi um tiro no escuro que deu muito certo. O modo de jogo era inovador, apresentando uma barra que deveria ser carregada por um dos times para que, então, um especial fosse ativado e o HP do inimigo fosse diminuído. Praticamente um cabo de guerra moderno. E não é que funcionou?

Com reviravoltas e batalhas em equipes, Dragon Ball Z: Legends tinha uma pegada inteligente, fazendo com que a escolha dos personagens, a forma de atacar cada adversário e a estratégia para descanso fossem muito bem pensadas. Una isso aos gráficos muito próximos aos do anime, pra época, bom modo história, sistema de desafios e tenha um dos melhores jogos de Dragon Ball.

Dragon Ball Evolution | PSP (2009)

dragon-ball-z-evolution

Que o filme blockbusteriano Dragon Ball Evolution é ruim, você já sabe. Mas alguém teve a brilhante ideia de lançar um jogo do longa. Entregaram essa bomba na mão da pobre Dimps, desenvolvedora famosa pelos games de anime, inclusive os da série Budokai.

Resultado: jogo ruim baseado num filme ruim e uma das maiores vergonhas que a franquia Dragon Ball já passou em sua história. Ao menos essa aberração ficou enterrada nas profundezas do PSP e de lá não sairá. Ufa!

Dragon Ball Xenoverse | PS4, XOne, PS3, X360 e PC (2015)

melhores-jogos-do-dragon-ball

Olha a Dimps aí de novo! Mas dessa vez a inovação foi boa. Em Dragon Ball Xenoverse, você personaliza um guerreiro que vai embarcar em viagens no tempo com Trunks para mudar a história de batalhas clássicas, como na saga Freeza, Cell e Majin Boo. Nunca antes um jogo da franquia havia reimaginado o enredo dessa forma (talvez o modo de jogo “What If” de Dragon Ball: Budokai Tenkaichi 3, mas é diferente).

A mecânica traz elementos da série Budokai Tenkaichi, adiciona pitadas de MMO, propõe a batalha em equipe, como o Legends, e ainda tem gráficos muito bonitos. Nessa, a Dimps se redimiu do Evolution.

Dragon Ball Z VR | Mobile (2017)

dragon-ball-z-vr

Todos nós já tivemos vontade de jogar como se estivesse dentro do universo Dragon Ball. E a própria franquia já tentou nos ajudar. É o caso da bizarrice do Dragon Ball V.R.V.S., de 1993, para arcade, que colocou a câmera nas costas do personagem para projetar uma sensação de estar na pele do personagem (apesar de não ter Realidade Virtual envolvida). Não deu certo, é óbvio.

É também o caso do Dragon Ball Z for Kinect, desenvolvido pela Spike, em 2012, para Xbox 360. A ideia de usar o sensor de movimento para imergir no game foi muito boa, mas a execução… Batalhas que cansavam o corpo e movimentos repetitivos, além de uma detecção de movimentos falha, afundaram o jogo (apesar de ser uma experiência obrigatória pra todo fã).

dragon-ball-kinect

Eis que a japonesa Mega House propôs o Dragon Ball Z VR (esse com Realidade Virtual). Com um óculos especial, pequenas “luvas” e um tapete sensorial, essa prometia ser a aventura mais imersiva de todas!

Pra nossa tristeza, nunca mais houve novidade do game e a empresa Megahouse está focada em brinquedos infantis, no Japão.

Dragon Ball Z: Taiketsu | Game Boy Advanced (2003)

piores-jogos-do-dragon-ball

E o prêmio de pior ideia de jogos diferentes do Dragon Ball Z vai para a Webfoot Technologies. Essa é a empresa responsável por desenvolver Dragon Ball Z: Taiketsu, um jogo que queria inovar com gráficos mais “realistas” e acabou criando uma luta de personagens que se parecem com bonecos de massinha.

Pra piorar, a jogabilidade é ruim e os gráficos piores ainda. Se essa foi uma tentativa de ser o “Mortal Kombat” dos Dragon Balls, falhou miseravelmente.

Dragon Ball FighterZ | XOne, PS4 e PC (2018)

O mais recente game tem uma pegada estilo Guilty Wars (inclusive é a mesma empresa desenvolvedora). Belíssimos gráficos, mecânica 2.5D e lutas frenéticas tomam conta de Dragon Ball.

Com mais de 3.5 milhões de cópias vendidas, se tornou o segundo jogo do Dragon Ball Z que mais vendeu na história, atrás apenas do Xenoverse e seus mais de 5 milhões. A recepção da crítica foi muito boa também, com reviews invejáveis:

dragon-ball-jogos

Além disso, o título foi premiado como melhor game de luta no Game Critics Awards, no The Game Awards, no Gamer’s Choice Awards e no National Academy of Video Game Trade Review Awards.

Com Dragon Ball FighterZ, a série entrou finalmente para o cenário do eSports, com grande participação no EVO 2018. Inclusive, se você quiser se dar bem no game, se liga nas dicas do Twitch EWOK187:

Bônus: GTA Z | Mod PC

Lembra que falamos do GTA no “Sagas”? Então… O mod de GTA V com o Goku ficou muito melhor. Se liga:

Quais jogos diferentes do Dragon Ball Z que você mais gosta? Tem algum outro que foi curioso pra você? Fala aí nos comentários abaixo!

Autor

Compartilhe