A evolução dos games de Fórmula 1

Autor

Categoria

Compartilhe

Quando pensamos em Fórmula 1 no mundo dos games, nossa mente automaticamente viaja por um ,túnel do tempo, tão marcante quanto o tradicional túnel de Mônaco.

Com produções nas mais variadas plataformas, a evolução dos games de Fórmula 1 acompanhou gradativamente o potencial dos motores gráficos dos consoles.

No atual cenário dos jogos de corrida que simulam competições reais, F1 é sem dúvida um dos que mais atende aos detalhes presentes na realidade.

A-evolucao-dos-games-de-Formula-1

Boa parte dessa reprodução realista pode ser atribuída à Codemasters. A desenvolvedora de games inglesa assumiu os direitos da franquia da F1 em 2009 e aperfeiçoou um padrão de jogo que surgiu em 1996, ano de lançamento do primeiro game de Fórmula 1 no Playstation, produzido pela Psygnosis.

A data também pode ser considerada um divisor de águas na linha de planejamento do jogo, que passou a receber licenciamento todos os anos dos pilotos da categoria, bem como o desenho fiel (na medida do possível) dos circuitos da competição.

A mudança na parte técnica foi positiva, mas é importante ressaltar que a diversão dos players começou bem antes. A história da categoria automobilística nos games foi iniciada na década de 80, precisamente no Atari.

Grand Prix e os inúmeros retardatários

O primeiro jogo lançado com alguns traços da F1 foi o Grand Prix, da Activision. Lançado em 1982, o jogo rodava no Atari e a perspectiva da imagem era de cima.

O objetivo do jogo era desviar o máximo de oponentes para conseguir bons tempos. Pode ser considerado um jogo com um grau de dificuldade bem elevado, pois conforme o carro aumentava a velocidade, o número de retardatários  multiplicava, sem contar as manchas de óleo na pista.

O jogo não fazia referências à Fórmula 1, mas esse carro vermelho acelerando fundo lembra a Ferrari.

Mudanças nas câmeras e licenciamento das marcas de Fórmula 1

O ângulo da imagem sempre foi um fator preponderante para agradar o jogador. O responsável por iniciar uma evolução nesse quesito é o Fórmula 1 Simulator. Lançado em 1985, ele pegou o padrão lançado no enduro (1983) e adaptou para os carros de F1.

O formato também ficou famoso no primeiro jogo licenciado com a marca de um campeão da categoria: Nigel Mansell’s Grand Prix. O título revolucionou na época com as inúmeras opções que podiam ser adotadas pelo jogador.

O jogo tinha fase de qualificação com direito a três voltas, corridas que podiam ser selecionadas de 5 até 20 voltas conforme a configuração escolhida, informações sobre o desempenho de velocidade do carro, consumo de combustível e desgaste dos pneus.

Em Nigel Mansell’s, o jogador tinha que tomar muito cuidado para não sair na caixa de brita e rodar. Qualquer deslize além da zebra e a Williams do inglês girava em 960º.

Resultado de imagem para Ferrari Fórmula One 1988 game

Um ano depois da Williams ganhar simpatia com o jogo do Nigel, a rivalidade das pistas apareceu nos games, com a Ferrari lançando um jogo exclusivo da escuderia italiana.

O Ferrari Formula One, desenvolvido pela Electronic Arts, apresentou como particularidades o acerto da aerodinâmica, a escolha da quantidade de combustível para iniciar a prova e o composto dos pneus.

Para ganhar de vez o mercado, a EA criou a visão do cockpit, estilo responsável pelos principais sucessos dos jogos lançados posteriormente.

O clássico Fórmula 1 no Super Nintendo

Nigel Mansell voltou a figurar como estrela principal dos consoles em 1993. Em grande estilo, o Nigel Mansell’s World Championship teve versões para Game Boy, Mega Drive, NES e Super NES, todos licenciados pela FIA. No Super Nintendo, é considerado por muitos a melhor versão de Fórmula 1 de todos os tempos.

O jogo disponibilizava 16 circuitos internacionais, 12 carros participavam das provas. Durante as provas era comum ver placas de publicidade das marcas que patrocinavam a Fórmula 1, características bem comum nas franquias lançada alguns anos depois no console da Sony.

Resultado de imagem para Nigel Mansell’s World Championship

As placas nas curvas eram um grande desafio. O jogo exigia bastante cuidado do jogador na frenagem das curvas, os circuitos eram bem dinâmicos e as provas com sol e pancadas de chuva transformavam o asfalto em um verdadeiro sabão.

Damon Hill, Michael Schumacher e Alain Prost eram os principais adversários do jogo. O brasileiro Rubens Barrichello figurava na Jordan, com um carro todo verde, e sempre brigava por posições na parte intermediária da classificação. Piquet era o outro brasileiro e completava a maioria das provas na penúltima colocação.

Resultado de imagem para Nigel Mansell's World Championship snes

A reprodução do ronco dos motores dos carros de Fórmula 1 começou a ganhar traços semelhantes aos reais nesse sucesso do Super Nintendo.

Uma curiosidade é que o jogo de Nigel Mansell’s Champioship recebeu uma versão pirata com o nome de Ayrton Senna F1 Racing. A versão com o piloto brasileiro tem mudanças apenas estruturais que não interferiram na qualidade do jogo.

O game foi parcialmente traduzido, recebeu mudanças na trilha sonora e as luvas azuis foram trocadas pelo tradicional vermelho da McLaren, na época.

Também foram substituídas todas as menções de Nigel por textos sobre a carreira de Ayrton Senna. Sem puxar sardinha para o nosso lado, mas a versão do Senna ficou mais legal.

Outro jogo do Super Nintendo que não pode deixar de ser citado é o F1 Grand Prix III. O game teve a primeira versão em 1991, mas somente a terceira versão lançada em 1994 apareceu no Brasil.

Com visão da parte superior, as corridas eram bem desafiantes. O jogo foi um dos primeiros do gênero a apresentar problemas na caixa de câmbio, quebra de motor e regras, como bandeira amarela na pista.

Outro diferencial era que você podia escolher qualquer um dos 26 pilotos disponíveis. A McLaren contava com a dupla Senna e Berger. Vale a pena dar uma conferida:

Guard rails, proteções de pneus e gráfico bem elaborados diferenciavam bastante F1 Grand Prix dos concorrentes. O trajeto dos circuitos eram bem fiéis aos originais e a imagem superior elevava a dificuldade de guiar o carro.

A chegada da Fórmula 1 no Playstation

Quem presenciou a chegada da Fórmula 1 no Playstation com certeza ficou encantando com a beleza dos gráficos e o formato do jogo. O console de 32 bits da Sony recebeu uma versão que representava com muita fidelidade o circuito de Interlagos, além de carros muito bem desenhados.

Todas essa composição, agregada à possibilidade de alternar a câmera do carro durante as provas, agradou os jogadores e definiu os padrões do game utilizados até hoje.

Entre 1996 e 2000, os jogos produzidos para Playstation e PC seguiram uma linha sem grandes novidades. Licenciados pela FIA os games basicamente apresentavam todos os pilotos da temporada e pequenas melhoras na física.

EA Sports diversifica opções do jogo

Em alta no mundo dos games, a EA Sports adquiriu, em 1999, a licença para produzir os jogos da categoria. O primeiro lançamento foi F1 2000, para Playstation.

Uma das últimas versões produzidas para o PSX, o jogo foi uma pequena amostra das versões que seriam consolidadas pela EA no Xbox e Playstation 2.

O jogo apresentou uma melhora significativa na jogabilidade e sobretudo na parte gráfica. Detalhes como os traços dos pneus no asfalto, o desenho dos carros e a qualidade da imagem de luz e sombra nos treinos e provas eram bem elaborados.

A EA também criou o jogo pensando em reproduzir os acidentes comuns nas corridas. Qualquer toque no pneu traseiro do adversário podia causar acidentes bem problemáticos.

É considerado o melhor jogo de F1 lançado para o primeiro console da Sony.

Notas do Metacritic mantém game da EA na ponta.

A empresa lançou, nos anos seguintes, F1 2001 e F1 2002, já para Playstation 2 e Xbox. Os jogos mantiveram o padrão de qualidade da primeira versão.

E quais foram as contribuições da EA na história dos games de F1? Além das melhores na parte técnica, a marca inovou com os modos de jogo.

Um grande exemplo pode ser o F1 Challenge 99-02. O game englobava as categorias de 99 a 2002, com um modo carreira especial, incluindo todos os detalhes de salários e sessão de testes para ingressar nas equipes menores, até evoluir e conseguir ser um piloto de ponta.

Nos anos seguintes, os games da Fórmula 1 tiveram produções desenvolvidas pela SCE (Sony Computer Entertainment), seguindo os moldes idealizados anteriormente.

A falta de renovação tornou Fórmula 1 um jogo burocrático e o lançamento da primeira versão no Playstation 3 foi decepcionante. A SCE lançou em 2007 um remake da versão anterior de F1 2006, último jogo da franquia para PS2.

Codemasters resgata prestígio dos games de Fórmula 1

Famosa por sucessos como a série Colin McRae e Grid, a produtora Codemasters licenciou a marca em 2008. A primeira versão do jogo foi F1 2009, lançado para Wii e PSP.

O game serviu como um teste de qualidade para o desenvolvimento dos jogos que viriam na sequência. As limitações gráficas foram consideradas comuns para as plataformas.

F1 2009 abriu o espaço para definir quais melhorias seriam feitas na versão 2010, com a responsabilidade de agradar uma legião de fãs ansiosos para a primeira série lançada para PS3 e Xbox 360.

Resultado de imagem para f1 2010 codemasters

Em 2010, o lançamento da Codemasters foi além da expectativa dos fãs e impressionou pelo realismo dos games de Fórmula 1 na telinha.

Desenvolvido com o Ego Engine, os gráficos colocaram a F1 novamente no topo dos games de corrida mais vendidos. O número de vendas bateu a casa dos 2,3 milhões, superando a expectativa inicial da produtora que era de 1,5 milhões de cópias vendidas.

Falando do jogo propriamente, F1 2010 reuniu todas as opções desenvolvidas em séries anteriores e as aprimorou.

A interferência climática do tempo nos ajustes dos carros e no desgaste dos pneus, a participação do piloto fora das pistas no relacionamento com a imprensa e outra série de fatores tornaram o jogo bem interativo.

F1 Race Stars

Com a licença da FIA em mãos, a Codemasters resolveu testar um game no estilo Mario Kart, porém com os pilotos da F1. O resultado foi um game divertido, porém muito caótico e confuso.

Ideia boa. Execução nem tanta. Quem sabe uma nova tentativa no futuro.

Redenção na oitava geração de consoles

Entre 2012 e 2014, a Codemasters caiu no mesmo problema da EA: falta de inovação. Some isso aos poucos nomes carismáticos na F1 e à queda de interesse pela categoria de modo geral.

Nunca foi um fracasso de vendas, mas também estava longe do sucesso de outros tempos. A solução veio com os novos motores gráficos da oitava geração de consoles.

F1 2015 foi um ótimo jogo e apresentou gráficos interessantes. Pecou na falta de um modo carreira, corrigido para o F1 2016.

As versões 2017 e 2018 do game beiram a perfeição. Gráficos impecáveis, modo online bastante interativo, precisão no volante, carros clássicos e modo carreira ainda mais complexo mostram que a Codemasters encontrou a pista certa para seus jogos.

Bonus: F1 Mobile Racing

Outra novidade que a Codemasters trouxe em 2018 foi o F1 Mobile Racing, para iOS e Android. “Estamos muito satisfeitos de trazer um autêntico jogo da Fórmula 1 free to play no mobile para público, pela primeira vez”, comentou Vincent Meulle, Produtor executivo, Codemasters.

A empolgação de Vincent não é pra menos. É a primeira vez que um game oficial chega nos dispositivos móveis (meio tardio, mas chegou). Com gráficos bem interessantes e jogabilidade que vai agradar aos gamers mobile, o grande destaque está na personalização dos carros.

As atualizações são constantes e a nota do game no Android chega aos impressionantes 4.7 (de 5).

Autor

Compartilhe